Amor e Santificação – Palavras que edificam

Deus é Santo e sem santificação não há relacionamento com Deus. Quem ama a Deus e tem o desejo maior de andar com Ele, hoje e  eternamente,  obrigatoriamente, tem o dever de viver em santidade.

Em  nossos dias, os valores morais têm entrado em decadência e a permissividade tem permeado as diferentes áreas de atuação da sociedade, adentrado nos lares e até se expandido às instituições eclesiásticas. A grande parte de tudo que se produz artisticamente tem que ter nuances de pornografia,  práticas sexuais explícitas ou insinuações sensuais,  quebrando sutilmente todas as barreiras limitantes do pudor e bom senso, e  isso é transferido para as famílias através da música, do teatro, do cinema e televisão, com suas novelas e séries, como um bom mecanismo para  fidelizar audiência  pela continuidade atrativa da história.

No mundo no qual vivemos as coisas acontecem de forma natural, com aparência inofensiva, e a maioria segue o curso dos acontecimentos,  difundidos pelos meios de comunicação e facilitados pela tecnologia atual. Mas a vida não se limita à esfera natural, há um mundo espiritual que rege este mundo, para o bem ou para o mal, depende de cada um que se deixa influenciar  por suas escolhas.

“Não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus”. Os que amam a Deus têm prazer em fazer a vontade de Deus e ser guiado pelo seu padrão. Não seguem o caminho mais fácil do curso deste mundo, mas escolhem avançar na contramão porque têm a certeza que os levará às alturas, onde habita o Deus Santo, o Rei da Glória!

Um vídeo do Pr. Sérgio Queiroz  que discorre sobre este tema, de forma bem didática e edificante, como lhe é peculiar.

 

Vida Só Encontro Em Ti – Os Céus Declaram a Sua Glória

Jesus é o gerador da vida. Ele é a própria vida! Não podemos ter vida ou encontrá-la fora de Jesus e da sua Palavra. A verdadeira vida encontra-se no espírito, a carne é corruptível.   Lemos no Evangelho de João 6.63:  O espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos digo são espírito e vida. Não adianta procurar vida eterna fora de Jesus. Tudo o que o homem precisa está nEle, Ele é a razão e o sentido da vida.  Uma existência vazia só pode ser preenchida e satisfeita quando encontra o autor da vida, Jesus, aquele que dá a paz.

Amor e Palavra

O amor de Deus é tão grande que se torna imensurável, mas a sua Palavra traz profundas revelações para que possamos ter um entendimento do significado desse amor e como ele se manifesta através das nossas vidas. O apóstolo João, conhecido como o apóstolo do amor, é o que traz uma revelação mais precisa do amor de Deus. João andou com Jesus, estava bem próximo dele e pode captar os ensinos espirituais mais profundos da essência do amor de Deus, revelados na pessoa de Jesus.

Muitos têm confundido o amor de Deus como um amor permissivo, tolerante com o erro e o pecado, tal como um pai que, em nome do amor, não consegue colocar limites na vida do filho e sempre está passando a mão sobre a sua cabeça diante dos seus erros, quando deveria estar corrigindo-o. O amor corrige. O amor conduz pelo caminho do bem. O amor trilha as veredas da justiça. O amor de Deus nos molda à forma de Jesus. No evangelho do referido apóstolo, traz uma revelação enfática e inconfundível entre o amor de Deus e a sua Palavra. João começa o seu Evangelho dizendo que Jesus é o Verbo de Deus. Jesus é a revelação do próprio Deus. A seguir, nos capítulos 14 e 15, João relaciona o amor de Deus com a obediência a sua Palavra de, tal forma, que não se pode amar a Deus se não se amar a sua Palavra – é impossível amar a Deus e, ao mesmo tempo, ignorar a sua Palavra – amar a Deus é obedecer a Palavra de Deus. “Se me amardes, guardareis os meus mandamentos. Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama…Se alguém me ama, guardará a minha Palavra…Se guardardes os meus mandamentos, permanecereis no meu amor…” Jo 14.15,21; 15.23,10.

Portanto, o amor que temos a Deus está intrinsecamente ligado ao amor que dispensamos a Sua Palavra. É impossível um se desvincilhar do outro. A Palavra de Deus é o meio pelo qual o conhecemos e nos tornamos íntimos dEle e podemos experimentar mais e mais do seu amor. Se dissermos que amamos a Deus, mas ignoramos a sua Palavra, ou a aceitamos com parcialidades, está na hora de se rever esse amor.

 

Provisão divina – Palavras que edificam

Há sempre muita discussão sobre prosperidade, provisão de Deus ou qualquer outra coisa relativa a bens materiais e dinheiro. O homem sempre cria problemas com temas relacionados a esse assunto, mas na Palavra de Deus há princípios bíblicos que não devem ser ignorados por aqueles que amam a Deus e têm prazer na sua vontade.

Precisamos ter cuidado para não compactuarmos das ideias  do time dos “Judas”. A Bíblia diz que Judas tinha “a bolsa”, ele era uma espécie de tesoureiro, mas era  ladrão. Por isso, quando Maria quebrou o vaso de alabastro, com um perfume caríssimo, para ungir os pés de Jesus, Judas censurou-a: Que desperdício! Não poderia esse perfume ser vendido e o dinheiro ser doado aos pobres? Ele não amava os pobres e não estava interessado em repartir nada com eles. Nenhum ladrão é generoso ou sensível à necessidade alheia.

É comum se ouvir que todos os pastores são ladrões. Muitos tomam isso como verdade e, por isso, não entregam o dízimo ou ofertam na Casa do Senhor nem em nenhum outro lugar que precisa de mantimento para que a obra de Deus avance. Os que falam isso e deixam de obedecer aos princípios divinos, não são confiáveis. Se eles nivelam todos os líderes eclesiásticos à infidelidade,  certamente agiriam como Judas, se estivessem no lugar deles.

O vídeo a seguir, traz com muita propriedade o dar e receber, o semear e colher, como princípios espirituais que devem ser aprendidos e observados por todos que temem o Senhor.  Deus é fiel, sua contabilidade é divina e seus princípios  invioláveis.

 

O Túmulo vazio!

Depois da cruz, vida! Ele não está no túmulo, Ele ressuscitou. Os fundadores das maiores religiões encontram-se em seus sepulcros, mas com Jesus, o Deus dos cristãos, é diferente. O seu túmulo está vazio. Não adiantou o suborno dos guardas, Jesus foi visto por muitos depois de ressurreto e continua vivo no coração dos que creem.

Jesus não é religião. Ele não está comprometido com  religião.  Jesus tem compromisso com a sua Palavra. Jesus é a própria vida, Ele é o Filho de Deus. Salvação e vida eterna  são temas de grande significação e não podem limitar-se à religião.  Nos evangelhos não encontramos o termo “religião” nem “cristianismo”, tal a ênfase que Jesus dava para esses conceitos. A   fúria do inimigo, a cegueira, a inveja e religiosidade dos homens levou Jesus  à cruz. O diabo festejou a morte de Jesus, imaginou  que Jesus foi derrotado na cruz, cometeu o seu maior engano, e a sua alegria durou muito pouco. Jesus venceu a morte.  A sua ressurreição foi a derrota do império das trevas. Ele  não ficou no túmulo! Jesus morreu por nossos pecados e ressuscitou para a nossa justificação. A sua vitória sobre a morte é a garantia da nossa ressurreição e vida eterna.

O Filho de Deus veio do alto, Ele discorria sobre o que ouvia do seu Pai. Ele se apresentava como  a  própria verdade, a vida, o único caminho que levava o homem a Deus. Ele se comparava a elementos vitais para que o homem fosse suprido da sua fome, Ele era o pão da vida, Ele era a água que saciava a sua sede. O que saía da sua boca era a Palavra que alimentava o espírito do homem, sempre em busca de uma satisfação interior. Jesus era a revelação do próprio Deus. Os homens, como sempre, são limitados em sua visão, nunca  enxergam o sobrenatural de Deus, costumam nivelar tudo às limitações da matéria. Jesus veio para salvá-los da condenação eterna, mas eles só conseguiam desejar uma libertação do jugo romano, Jesus veio oferecendo-lhes uma nova aliança, na qual poderiam ter acesso a Deus sem intermediação de sacerdotes, mas eles só conseguiam visualizar os ritos, tradições e sacrifícios da velha aliança de Moisés.   Ainda hoje, apesar de tanta ciência, os homens escolhem ficar presos em seus conceitos rudimentares e perecem na ditadura da incredulidade. Homens “sábios” que se prendem à crenças insanas que não têm lugar para o Senhor da Glória.

Por mais que os homens trilhem seus próprios caminhos e criem suas próprias crenças, a verdade é única: Deus enviou Jesus, que cumpriu a sua missão morrendo por homens pecadores,  condenados à morte eterna, para reconciliar com Deus os que creem  e fazê-los herdeiros da vida eterna, porque Ele não está mais no túmulo, Ele ressuscitou!